A preocupante resistência ao uso de novas tecnologias

Um grande problema que enfrentamos é criar alternativas de renda, seja para nós, seja para outras pessoas. A decisão da câmara de vereadores de São Paulo de abolir o uso do Uber na cidade é desastrosa nesse sentido. Quando aqueles que deveriam promover o desenvolvimento atuam para freá-lo, demonstram não compreender as inúmeras possibilidades da tecnologia e, o que é pior, tiram a liberdade de escolha criada por ela.

Em momento de crise econômica onde há redução do emprego e de outras fontes de renda, essa decisão é ainda mais cruel.

Entretanto, não são somente líderes políticos que relutam ao novo. Nas empresas também observamos gestores que se recusam a compreender e a permitir o uso de novas tecnologias. Isso é motivo de muita incerteza, insegurança e estresse para aqueles que percebem as consequências dessa recusa.

A causa disso está principalmente na falta de adaptação desses líderes ao novo.

Por esse motivo, a melhor, se não a única maneira de gerenciar é estar atento ao futuro, adaptar e transformar a todo momento a empresa e, também, sua maneira de liderá-la.

Em um país que carece de apreço pela administração como ciência, esse é um grande desafio. Afinal, se uma empresa é estruturada de maneira rígida e sem capacidade de absorver novas tecnologias, cada vez que algo novo surge é motivo de grande preocupação. Principalmente se a concorrência as adota com maior velocidade e obtém com isso vantagem competitiva.

Adaptação constante requer criatividade na gestão, uma cabeça sempre aberta a ouvir e aprender e muita energia para desconstruir o que é anacrônico e construir o novo.

Sem essa competência, o futuro é incerto, a involução se instala e as opções de crescimento cessam. Portanto, o líder deve estar atento às novidades e abraçar o que for pertinente para o futuro de seu negócio, principalmente aquilo que cria alternativas de receitas e de redução de custos.

Afinal, o mais importante é desenvolver organizações com cada vez maiores alternativas de futuro. E, se há algo que deva ser refletido quanto às novas tecnologias penso que é: por que elas não foram criadas por empresas brasileiras e por brasileiros? 

Sejamos capazes de fazê-lo no futuro.

Vamos em frente!

Para trocarmos ideias no facebook: Silvio Celestino

Para me seguir no Twitter: @silviocelestino

Exibições: 181

Comentar

Você precisa ser um membro de Alliance Coaching para adicionar comentários!

Entrar em Alliance Coaching

© 2021   Criado por Silvio Celestino.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço